Brasil Solar Power 2017 – O Evento Oficial do Setor Solar Fotovoltaico Brasileiro

A segunda edição do evento oficial do setor fotovoltaico garantiu recorde de público e conteúdo altamente qualificado e relevante aos participantes.



Brasil Solar Power Conferência e Exposição 2017, aconteceu nos dias 05 e 06 de julho de 2017, no Sul América Centro de Convenções, no Rio de Janeiro. Promovido pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica – ABSOLAR em parceria  com o Grupo Canal Energia, o encontro reuniu  já na cerimônia de abertura os governadores de Goiás, Marconi Perillo e do Piauí, José Wellington Dias, representantes dos governos de São Paulo, Tocantins, Pará e da Bahia, além do presidente do conselho de administração da ABSOLAR, Nelson Colaferro, assim como o presidente executivo da associação Dr. Rodrigo Sauaia  e as mais altas autoridades ligadas à produção de energia renovável do Brasil.
 
O evento oficial do setor fotovoltaico brasileiro trouxe aos participantes as principais questões sobre o desenvolvimento da fonte no país, tanto em Geração Centralizada quanto em Geração Distribuída, sob as perspectivas dos principais executivos e autoridades do setor. Além do congresso de altíssimo nível, o evento proporcionou a feira de negócios que contou com a presença de importantes players nacionais e internacionais e ofereceu conteúdo altamente relevante através dos workshops técnicos e educacionais acessíveis a todos que visitavam o evento.

O presidente executivo da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia, destacou que um ponto fundamental para a redução de custos no país versa sobre o volume previsto de contratação adicional de 7 GWp para o próximo PDE que entra em audiência pública. Na opinião da entidade, o montante ideal em projetos estaria em cerca de 14 GWp adicionados ao período. Aumentar o volume, comentou o executivo no talk show com autoridades do setor elétrico que marcou a abertura do segundo dia do Brasil Solar Power 2017, afeta diretamente a competitividade.

“O Brasil ainda precisa de trabalho para aprimorar os fatores que impactam no preço e que não permite que eles caiam a US$ 50/MWh. De um lado está a carga tributária elevadíssima sobre equipamentos. Nosso pleito é ter a lógica do setor e racionalidade, a fonte não pode ser tratada de forma desprivilegiada, não precisa de incentivos e sim tratamento equivalente a outras renováveis”, defendeu ele.

 


































 

X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok