27/06/2016

Alta na conta de luz empurra crescimento de microgeradores. Setor avançou 40% em 2016

  Voltar
Estado de Minas
 
O engenheiro Lupércio Junior instalou uma usina de microgeração em sua residência, na região Oeste de Belo Horizonte (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A/Press)

A instalação de pequenos geradores de energia realizada por consumidores, conhecida por micro ou minigeração, está em forte expansão no País, que já registra mais de 2,7 mil microgeradores individuais instalados até meados deste ano.

Minas tem o maior número de micro e miniusinas, aquelas instaladas nos telhados das residências, o que corresponde a 20% de todos os sistemas instalados no país.

O alto preço da energia elétrica e incentivos como a possibilidade de usar os recursos do FGTS (Fundo de GArantia por Tempo de Serviço) para instalar o sistema pode contribuir para alavancar o segmento.

No Brasil, o número atual de pequenos geradores corresponde a um aumento de 40% na comparação com os cerca de 1,9 mil de dezembro de 2015. A estimativa é da Associação da Indústria de Cogeração de Energia (Cogen), que também calcula que a capacidade instalada some atualmente 27 megawatts (MW).
 
Apesar de a tecnologia ainda ter custo alto, dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) apontam que nos últimos 10 anos o investimento ficou perto de 80% mais barato.

Hoje o preço médio de uma microusina é de aproximadamente R$ 20 mil, sendo que o sistema é capaz de abastecer uma residência, de quatro pessoas, que tenha um consumo médio mensal da energia próximo a 300 kw/h.

O retorno do investimento se dá entre seis e nove anos e há equipamentos em funcionamento há mais de 30 anos.
 
"Esse segmento vai explodir", aposta o presidente da Cogen, Newton Duarte, estimando que o número de microgeradores instalados no território nacional poderia chegar a 3 mil até o fim do ano.

A projeção otimista para este ano está relacionada à recente liberação para que os consumidores utilizem recursos do FGTS para instalar os geradores. "Essa disponibilidade do FGTS pode servir como estímulo maior", disse Duarte.

Para ele, a expansão já observada neste momento está relacionada ao forte aumento da tarifa de energia nos últimos anos, em meio a um cenário de retração econômica, que motivou os consumidores a buscarem alternativas de corte de custo. "Em muitos mercados, a tarifa de energia para o consumidor atendido em baixa tensão está em R$ 600/MWh, R$ 700/MWh, até R$ 900/MWh.

Com isso, o retorno do investimento em uma microgeração se dá em 5 a 6 anos", disse. Um projeto de microgeração custa entre R$ 5 mil e R$ 6 mil por quilowatt instalado.
 
 
O presidente da Cogen acrescentou, porém, que outros fatores também contribuem para o crescimento do mercado, como a permissão dada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), do Ministério da Fazenda, para que os Estados concedam a isenção de ICMS nas operações com energia produzida por micro ou minigeração. "Estados como São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Goiás, Ceará, Tocantins, além de Minas Gerais, incorporaram essa sugestão e não estão cobrando", disse o dirigente.

Outras ações para o fomento da microgeração também estão sendo buscadas, como o desconto no IPTU das residências e pontos comerciais que venham a instalar sistemas de cogeração.

Além disso, Duarte defendeu novos avanços na regulação, permitindo, por exemplo, a possibilidade de venda do excedente produzido pelos microgeradores. "Pedimos esse aprimoramento recentemente, mas a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) entendeu que o setor não estava preparado para absorver esse conceito, e isso ficou para o futuro", disse.

A regulamentação para a microgeração é de 2012 e passou por um aprimoramento em 2015.

Atualmente, os microgeradores são aqueles com potência instalada menor ou igual a 75 quilowatts (kW) e os minigeradores, aqueles cujas centrais geradoras possuam de 75 kW a 3 MW, no caso da fonte hídrica, e até 5 MW para as demais fontes.

Eventuais sobras de energia não consumidas geram créditos que podem ser utilizados pelo prazo de cinco anos.

"Temos um potencial muito grande em migrogeração pela frente", disse Duarte, salientando que com o número de sistemas e a potência instalada atuais temos 0,1 watt por habitante, ante 490 watts/habitante na Alemanha, 360 watts/habitante na Itália e 58 watts na China. "Na Alemanha, esse mercado se desenvolveu rápido, algo entre 10 a 15 anos. Podemos ter um quadro semelhante no País, na medida em que a energia se torna mais cara."
 

DESCOMPASSO - Para se ter ideia do descompasso entre o Brasil e o mundo, a geração fotovoltaica brasileira corresponde ao que os Estados Unidos geravam em 1992.

Na corrida mundial, o ensolarado Brasil largou atrasado e por enquanto, a energia fotovoltaica na matriz nacional não corresponde nem a 1% do que gera países como a Alemanha, até pouco tempo líder na energia limpa, posto agora ocupado pela China.

O Brasil gera cerca de 40 MW, o que lhe dá uma participação de 0,02% na matriz energética.
 
 
O dirigente lembrou que a Empresa de Planejamento Energético (EPE) projeta que o País chegará a 2024 com 700 mil consumidores-geradores de energia solar e uma capacidade instalada que deve alcançar 10 mil MW, somando a microgeração e os grandes parques solares.
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok