27/05/2014

Governo quer desenvolver solar sem subsídios

  Voltar
Com a inclusão da energia solar nos leilões o Ministério de Minas e Energia (MME) planeja que o desenvolvimento da fonte no País ocorra sem subsídios do governo, nem transferência de custos para os consumidores.

Segundo o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético, Altino Ventura, a ideia é trazer a indústria internacional e, dentro de uma etapa seguinte, já instalada, ela se torne nacional. O executivo participou do Seminário Energia: Brasil + 10, realizado nesta terça-feira (27/05), em São Paulo.

Mas, de acordo com presidente-executivo da ABSOLAR, Rodrigo Lopes Sauaia, para que esse desenvolvimento ocorra por meio da indústria, é necessário que haja um trabalho integrado do MME e Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior visando a criação de políticas públicas.

“Primeiro precisa estar claro do ponto de vista da demanda a quantidade que se busca pelo governo. E também é preciso que haja políticas públicas para estimular a competitividade da produção local e a tributária”, explicou Sauaia.

O motivo é que, apesar de a fonte solar estar participando dos certames, ela permanece fora do planejamento do governo. No ultimo Plano Decenal de Energia (PDE 2022), a energia solar se manteve fora das perspectivas de geração.

Leilão de reserva

É esperado que a tecnologia fotovoltaica apresente o preço de R$200 por MWh, acompanhando o caminho da fonte eólica, que também apresentou preços mais elevados no início, mas que depois mostrou desenvolvimento e queda continua dos preços.

A estruturação do certame está em fase final. A previsão é que seja realizado no segundo semestre deste ano, com três produtos distintos: eólica, solar (térmica e fotovoltaica) e resíduos sólidos.
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok