02/11/2020

Inovações em módulos fotovoltaicos reduzirão custo da energia

  Voltar
Reportagem publicada no Canal Solar 

A indústria fotovoltaica global vem experimentando um crescimento produtivo ano após ano. Com isso, é esperado que os preços dos painéis continuem caindo neste, embora a um ritmo mais lento. Ademais, a melhoria na eficiência do módulo impulsionará a tendência de declínio do Capex (custo de construção da usina), o que reduzirá o LCOE (custo nivelado de energia). É o que avalia a consultoria Wood Mackenzie.

Em seu último Relatório de Mercado de Tecnologia de Módulo Solar PV 2020 , a empresa examinou três tecnologias que têm o potencial de melhorar a classe de energia do painel fotovoltaico e o seu desempenho: wafer grande, células do tipo N e técnicas de nível de célula e módulo.

“Descobrimos que os módulos solares feitos de grandes wafers, como o formato M6, M10 ou G12, podem reduzir o Capex de um projeto fotovoltaico em escala de utilidade em 3% a 9%. A economia de custos seria atraente para desenvolvedores e instaladores de energia solar, o que impulsionará a adoção pelo mercado”, disse Xiaojing Sun, autor do relatório.

Os dados da Wood Mackenzie mostram ainda que a capacidade total de fabricação de módulos baseados em wafer M6, M10 e G12 alcançará 28 GW, 63 GW e 59 GW, respectivamente, até o final de 2021.

Em 2025, a capacidade de produção de painéis usando M10 e G12 está prevista para exceder 90 GW, tornando-os as tecnologias dominantes por capacidade de fabricação.

“É importante ressaltar que a adoção de grandes módulos pelo mercado depende da coevolução dos componentes de equilíbrio do sistema, como inversores e rastreadores, para acomodar a corrente mais alta e o tamanho maior”, explicou Sun.

“Várias alianças industriais foram formadas desde o início de 2020 para garantir que todo o ecossistema solar evolua para apoiar a adoção de grandes painéis. Se os esforços da indústria derem frutos, prevemos que as remessas de grandes módulos em 2021 representarão aproximadamente 40% da remessa total de painéis de silício cristalino. No final de 2025, os módulos feitos com tamanhos de wafer menores que M6 serão eliminados do mercado”, ressaltou o especialista.

Módulos do tipo N

O relatório também investigou módulos do tipo N, como HIT e TOPCon, que poderiam gerar mais energia por painel devido à maior eficiência das células e menores taxas de degradação.

De acordo com o analista da Wood Mackenzie, ao contrário dos grandes módulos, os do tipo N, atualmente, não geram Capex do sistema e economia de LCOE em projetos solares em escala de utilidade. Os altos custos de produto dessas placas solares compensam a economia de custos não modulares ao nível de sistema.

“Nossa análise mostra que os módulos TOPCon e HIT precisarão de uma classe de potência premium de pelo menos 40 W e 90 W, respectivamente, ou um corte de preço de 6% e 20% para serem competitivos com mono PERC. É certo que essas são ordens difíceis. No entanto, a melhoria significativa da eficiência e a redução do custo de produção são os caminhos obrigatórios dos módulos do tipo N para ter sucesso no mono PERC como o painel solar de próxima geração de escolha”, destacou Sun.

A pesquisa concluiu que nos próximos anos o mundo passará por inovações rápidas no mercado de módulos solares, levando a aumentos significativos na classe de potência das placas, melhor desempenho e aplicações mais versáteis.

“Tais inovações, além de contribuírem para a redução de custo de hardware, serão a força motriz por excelência que impulsiona a redução contínua de LCOE solar na nova década”, concluiu Sun, autor do relatório.
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok