02/07/2019

Mato Grosso vive risco de retrocesso econômico com fim dos incentivos da fonte solar fotovoltaica, alerta ABSOLAR

  Voltar
Digoreste Notícias 

Entidade defende manutenção dos programas de desenvolvimento da geração distribuída solar fotovoltaica no estado, sob pena de fechamento de empresas, fuga de investimentos e até onda de demissões

O estado do Mato Grosso vive um enorme risco de retrocesso econômico com o Projeto de Lei Complementar nº 53/2019, que propõe regrar importantes incentivos tributários na região, sobretudo na geração distribuída solar fotovoltaica.

A opinião é do presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), Rodrigo Sauaia. Segundo ele, é necessário que o Estado do Mato Grosso mantenha os programas de desenvolvimento da geração distribuída solar fotovoltaica, sob pena de fechamento de empresas, fuga de investimentos e até onda de demissões.

“Para tanto, é necessário revogar a alínea “f”, do item XII, do artigo 55, do PLC n° 53/2019 que propõe a revogação do artigo 130-A, do anexo IV, do Regulamento do ICMS no Mato Grosso, justamente para garantir o desenvolvimento econômico e sustentável do estado, impulsionado pelo crescimento da fonte solar fotovoltaica na região”, afirma.

“Inúmeros estudos mostram que a fonte solar fotovoltaica contribui de forma contundente no desenvolvimento econômico de uma região local, com geração de emprego e renda, desenvolvimento de novos serviços, criação de manufatura e inovação tecnológica”, acrescenta Sauaia.

Segundo mapeamento da ABSOLAR, o estado do Mato Grosso possui atualmente cerca 3,7 mil sistemas de geração distribuída renovável de pequeno porte em telhados e pequenos terrenos, com mais de R$ 525 milhões de investimentos acumulados e mais de 2 mil empregos gerados na região.

“A manutenção de incentivos como o Convênio ICMS 101/1997 e o Convênio 16/2015 é imprescindível para viabilidade da fonte solar fotovoltaica na região e garante a adequada valoração da energiaproduzida pelo cidadão frente à eletricidade consumida da rede”, comenta Bárbara Rubim, vice-presidente de Geração Distribuída da ABSOLAR.

“Outra medida importante seria a incorporação da geração distribuída solar fotovoltaica nos prédios públicos do Mato Grosso, que aliviaria o orçamento do estado, reduziria os gastos com eletricidade e liberaria recursos para ampliar investimentos na região”, complementa Bárbara.

Diante do risco econômico imposto pelo Projeto de Lei Complementar nº 53/2019, representantes da ABSOLAR, do Sindenergia-MT e da FIEMT, juntamente com empresários do setor, se reuniram na Assembleia Legislativa do estado do Mato Grosso para propor soluções e alternativas com relação à energia solar fotovoltaica.

A intenção do encontro é para expor o descontentamento e protesto contra qualquer forma de aumento de imposto sobre as energias renováveis e geração distribuída neste momento, dados os benefícios econômicos, sociais, ambientais e estratégicos que proporcionam ao Mato Grosso.

“A energia solar fotovoltaica em telhados, fachadas e pequenos terrenos é uma forte locomotiva de crescimento econômico e um dos poucos setores com potente geração de empregos de qualidade no Brasil”, aponta o presidente do Sindenergia-MT, Eduardo Oliveira.
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok