31/03/2020

Perspectivas para o mercado solar fotovoltaico global

  Voltar
Brasil Energia 

Estudo da IRENA sobre a contribuição da energia solar fotovoltaica para a matriz energética global no contexto de Transição Energética traz estimativas de queda contínua de custos de investimentos e de produção e de capacidade instalada crescente nas próximas décadas

No artigo anterior de janeiro de 2019, Uma agenda positiva para a energia eólica, explorei o racional para a expansão das renováveis no Brasil, em especial da eólica, mostrando o sucesso deste business case. No artigo de Outubro de 2019, O mercado eólico global – um mercado que apenas começou, apresentei a Visão da IRENA sobre a contribuição da energia eólica para a matriz energética global no contexto de Transição Energética (https://www.irena.org/publications/2019/Oct/Future-of-wind). No entanto, nos últimos anos não apenas a energia eólica vem se destacando mas também a expansão da geração solar fotovoltaica é digna de destaque. Sucessivos recordes de queda de custo e preço em diversos distintos mercados colocaram a energia solar fotovoltaica na agenda de trabalho dos planejadores energéticos e promotores da sustentabilidade. Como um desdobramento do estudo Global Energy Transformation 2050 (https://www.irena.org/publications/2019/Apr/Global-energy-transformation-A-roadmap-to-2050-2019Edition), a IRENA também lançou sua Visão sobre a contribuição da energia solar fotovoltaica para a matriz energética global no contexto de Transição Energética (https://www.irena.org/publications/2019/Nov/Future-of-Solar-Photovoltaic).

Strong business case – Os custos de investimento e de produção, que já apresentaram queda significativa na última década, devem continuar caindo

Entre 2010 e hoje, o custo de investimento por kW instalado solar, média global, caiu 74%. Conforme IRENA (2019), para 2030 poderia se esperar uma queda semelhante, e, para 2050 a redução poderia superar 80%. O custo de geração (LCOE) poderia reduzir-se pela metade até 2050 quando comparado aos níveis atuais. Esta revolução de competitividade coloca a energia solar fotovoltaica, junto com a tecnologia de geração eólica, na liderança da agenda de comercialização de eletricidade.

Em muitos mercados a geração solar fotovoltaica já alcança o ponto de inflexão onde a geração renovável é mais competitiva do que qualquer outra geração térmica a combustíveis fósseis. Pelos números apresentados, nos próximos anos tudo indica que isto se difundirá para a maioria dos mercados.

A capacidade instalada anual é crescente nas próximas décadas

Se hoje a capacidade instalada global chega a cerca de 500 GW de energia solar fotovoltaica, a estimativa da IRENA para o ano de 2030 é de cerca de 2500 GW, e, para o ano de 2050 de mais de 8500 GW, respectivamente 13% e 25% da matriz global de geração, sendo hoje 2%. O mercado que atualmente instala cerca de 95 GW ao ano estaria quase triplicando até 2030 para valores em torno de 270 GW anuais, e quadruplicando até 2050 para algo em torno de 370 GW anuais.

Todos os mercados regionais apresentarão crescimento. Estima-se que o mercado da América Latina alcance cerca de 100 GW até 2030. A Asia continuará liderando e sua dinâmica impactará o mercado global.

Essa revolução competitiva aumentaria a capacidade instalada solar fotovoltaica nas próximas três décadas em todas as regiões. Na América Latina, por exemplo, a capacidade instalada aumentaria em quase 100 GW até 2030 e 280 GW até 2050, o que exigiria uma média de instalações anuais de pouco mais de 7 GW até 2030 e cerca de 9 GW de 2031-2050.

O mercado Asiático, com destaque para a China, sobressai com mais de 65% da capacidade instalada em 2030 e cerca de 70% em 2050. A sua dinamica continuará influenciando os demais mercados regionais, em função de escala e inovações.

O mercado solar fotovoltaico global em 10 anos poderá superar os USD 165 bilhões anuais.

Os investimentos em solar fotovoltaico tem aumentado ao longo dos anos, de cerca de US$ 77 bilhões em 2010 para US$ 114 bilhões em 2018. Até 2050, a necessidade de implantação de uma capacidade de mais de 8.000 GW (2050) exigiria um investimento médio anual de cerca de US$ 165 bilhões por ano no período até 2030, e, de cerca de US$ 190 bilhões por ano nas décadas restantes até 2050. Isso significa aumentar os investimentos anuais por um fator de mais de dois a partir de agora até 2030, e, ainda mais durante o período remanescente até 2050, em comparação com os investimentos realizados em 2018.

Dentre as regiões, a Ásia se destaca com mais da metade da produção mundial de energia solar fotovoltaica e investimentos médios anuais de cerca de US$ 113 bilhões por ano no período até 2050, seguidos pela América do Norte com US$ 37 bilhões por ano e Europa com US$ 19 bilhões por ano. Os mercados emergentes em regiões como Oriente Médio e Norte da África precisariam de investimentos anuais de US$ 2 bilhões por ano. Na América Latina estima-se uma média de US$ 7 bilhões por ano até 2050. Um mercado regional de cerca de 200 bilhões de dólares considerando todo o período (IRENA, 2019).

A geração fotovoltaica é decisiva para a Transição energética devido aos beneficios sinérgicos que proporciona.

A tecnologia de geração de energia solar fotovoltaica é decisiva para viabilizar a Transição energética atendendo as prioridades em diferentes mercados. São vários os benefícios sinérgicos que proporciona a geração solar. Seja o objetivo de aumento de competitividade em mercados energéticos – a partir da redução de preços de eletricidade; ou, a redução de pessoas sem acesso à eletricidade – através da viabilização do acesso em áreas remotas (soluções off-grid); ou, ainda, o objetivo de diversificação de investidores – via aumento das opções de atendimento energético para corporações e para o setor residencial (corporate sourcing, geração distribuida); ademais do positivo impacto socioeconomico proporcionado pela promoção de empregos locais e maior valor adicionado á atividades econômicas; além destes objetivos, sem a geração solar fotovoltaica seria bastante difícil um portfolio de tecnologias capazes de atender as necessidades de redução de emissões de CO2.

A implantação de mais de 8500 GW de energia solar – capaz de gerar mais de 25% do total de necessidades de eletricidade em 2050 – pode potencialmente mitigar uma quantidade significativa de emissões (4,9 Gt CO2). Isso representa 21% do potencial total de redução de emissões de renováveis ??e medidas de eficiência energética.

O planejamento energético como forma de superar as barreiras para aceleração do mercado solar fotovoltaico.

A tecnologia está disponível agora, pode ser implantada rapidamente em larga escala e é competitiva em termos de custo. No entanto, apesar dos fortes argumentos, os projetos de energia fotovoltaica solar continuam enfrentando sérias restrições que podem potencialmente impedir o crescimento acelerado necessário nas próximas décadas.

Em geral, as fontes de energia renovável são afetadas em diferentes graus por problemas resultantes de especificações do projeto, contextos geográficos e níveis de maturidade. Para a energia solar fotovoltaica, as barreiras existentes em diferentes níveis (tecnológico, econômico, político e regulatório e socio-político) podem impedir a implantação da capacidade de energia solar fotovoltaica nas próximas três décadas. A mitigação dessas barreiras, por meio de várias políticas de suporte e medidas de implementação, é vital para impulsionar futuras instalações.

Referências

IRENA (2019), Future of solar photovoltaic, International Renewable Energy Agency, Abu Dhabi. https://www.irena.org/publications/2019/Nov/Future-of-Solar-Photovoltaic
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok