16/07/2014

Setor solar aguarda anúncio de financiamento pelo BNDES

  Voltar
SÃO PAULO – A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) espera que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)

Thaís Carrança

SÃO PAULO – A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) espera que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anuncie em até dois meses as condições de financiamento para projetos de usinas solares no Brasil. A fonte solar concorre pela primeira vez sozinha em um leilão de reserva do governo federal, que será realizado em 31 de outubro.

O diretor executivo da entidade, Rodrigo Lopes Sauaia, acredita que as condições devem ser semelhantes às linhas já existentes para fontes renováveis, porém com mudanças nas condições de acesso ao financiamento. “Esperamos uma flexibilização das exigências de conteúdo local, pois os 60% tradicionalmente exigidos pelo BNDES não são adequados à atual realidade da fonte solar”, afirmou Sauaia a jornalistas, durante o evento Enersolar, em São Paulo.

Para a ABSOLAR, é desejável um patamar mais baixo de exigência de conteúdo local, com evolução progressiva ao longo dos anos, à medida em que se desenvolva uma indústria nacional para o setor. Segundo Sauia, o maior potencial de nacionalização atualmente está nas estruturas, cabos e conectores, e na montagem local de módulos com equipamentos importados.

“Devemos progressivamente aumentar o conteúdo, à medida que a demanda justifique a instalação de fábricas”, ponderou. Para isso, o diretor executivo avalia ser necessário um projeto de desenvolvimento industrial, com leilões periódicos que garantam volume de pedidos aos fabricantes. Sauaia exemplificou que, para a instalação de uma fábrica de vidros fotovoltaicos, com baixo teor de ferro, são necessários 500 megawatts (MW) solares por ano.

O executivo reafirmou ainda seu otimismo com relação ao leilão de reserva, quando são esperadas pelo mercado a contratação de 500 MW a 1 gigawatt (GW) em projetos de geração fotovoltaica. “O Brasil tem atualmente 40 MW em capacidade instalada solar. Se o leilão viabilizar 500 MW teremos uma quebra de paradigma, pois significará multiplicar por mais de 12 vezes a capacidade instalada”, disse. Sauia avalia que o preço-teto necessário para a viabilização de projetos solares no leilão está em torno de R$ 250 por megawatt-hora (MWh).
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok