25/11/2016

WWF-Brasil e UNB divulgam Potencial de Energia Solar em telhados de Brasilia

  Voltar
WWF Brasil

A geração de energia elétrica (juntamente com sistemas de aquecimento) é o principal fator de emissão de gases de efeito estufa no mundo, correspondendo a 25% do total global.

No Brasil, apesar da base da matriz elétrica ser por hidrelétricas, as mudanças no fluxo das chuvas têm causado diminuição no nível dos reservatórios e uma dependência de outras fontes complementares, em especial as termelétricas extremamente caras e poluentes.

Além disso, a produção de energia está concentrada em alguns pontos do país, fazendo com que a eletricidade precise atravessar milhares de quilômetros em diferentes ecossistemas até chegar a seu destino.

No Distrito Federal, por exemplo, mesmo com toda a irradiação solar, praticamente toda a eletricidade consumida em Brasília é gerada em outras regiões, com 80% vindo da Usina Hidrelétrica de Furnas e 20% da Usina de Itaipu ambas bem distantes por isso em constante risco de queda de energia.

Porém, um estudo inédito do WWF-Brasil em parceria com a Universidade de Brasília e apoio técnico da ABSOLAR mostra, em números, que o cenário não precisa ser assim.

O estudo, chamado “Potencial da Energia Solar Fotovoltaica de Brasília”, vai ao encontro do Programa Brasília Solar do Distrito Federal, institucionalizado pelo  decreto 37.717, publicado no Diário Oficial em 20/10/2016 e pelas metas brasileiras de ampliação de oferta de eletricidade por fontes renováveis não hídricas e redução de gases de efeito estufa.

Sob a supervisão dos técnicos do WWF-Brasil, estudantes da UNB orientados pelo professor de engenharia elétrica Rafael Shayani mapearam os telhados de algumas regiões do DF, para a partir deles, avaliar o seu potencial de geração solar fotovoltaica. “Uma vantagem da energia solar em Brasília é que os módulos podem ser espalhados nos telhados, não vão ocupar área útil e tendem a se integrar com as edificações”, comenta Shayani ao acrescentar que seria uma solução para a crise energética.

O material traz números de geração de eletricidade em algumas regiões do DF, sugestões de modelos para o aproveitamento solar fotovoltaico (seja em residências individuais, em condomínios verticais e horizontais e em prédios públicos), custos médios e tempo de retorno financeiro desses investimentos, além de comentários sobre os avanços e os desafios regulatórios e financeiros para o setor.

De acordo com o relatório, a localização geográfica, pequena extensão territorial e alta taxa de irradiação, com mais de seis meses de seca por ano, dão a Brasília uma vocação natural para geração de energia solar fotovoltaica.

Veja alguns dados extraídos do documento: O recurso solar para o Centro-Oeste é equivalente ao encontrado nas regiões Nordeste e Sudeste, sendo que uma das melhores irradiações do Centro-Oeste e do Brasil se encontra no Distrito Federal (5,8 kWh/m2) 6085 GWh é o consumo anual de eletricidade no Distrito Federal

Em um prédio padrão das Asas Norte e Sul, com 6 andares, 8 apartamentos por andar, 1.250 m2 de telhado e consumo médio por apartamento de 215 kWh/mês, é necessário apenas 40% da área do telhado para gerar a eletricidade demandada dos apartamentos (sem contar a parte de uso comum)

O DF possui um território de 5780 km2. É possível gerar toda a eletricidade demandada no DF colocando módulos fotovoltaicos em somente 0,41% dessa área, o que equivalem a 24km2.

De acordo com o coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, o estudo traz subsídios para que os empreendedores que querem apostar nesta nova tecnologia na região sintam-se confiantes e confortáveis em tonar-se pioneiros em uma nova cadeia produtiva regional.  “O aumento da mini e microgeração de energia solar fotovoltaica trará benefícios para a população e para o próprio país, com maior demanda de mão-de-obra qualificada, fornecedores de equipamentos e de projetos de engenharia, além de gerar uma sociedade cada vez mais sustentável”, comenta Nahur.

Ainda segundo ele, a garantia de um fornecimento seguro de eletricidade é componente fundamental para o planejamento econômico regional. “Criar as condições para que a geração descentralizada de energia possa ser disseminada no Distrito Federal permitirá o desenvolvimento de novas cadeias produtivas”, completa.
  
  Voltar
X
RECUPERAÇÃO DE SENHA
E-mail:
Preencha o campo acima com seu e-mail de cadastro para receber uma nova senha.
Ok